sexta-feira, 20 de março de 2009

moralismo da imprensa brasileira não admite nu frontal da bailarina de vermelho e devaneia


O Globo
"'Olha aí, cadê a caretice do Rio?', perguntava o ator Will Pantaleão, apontando a moça nua em pelo no palco do Cabaret das Rosas, inaugurado anteontem, num antigo sobrado na Praça Mauá. É que sua amiga, a espanhola Paula San Martin, acabara de comentar que a cidade era linda, tal e coisa, mas 'careta'.

Enquanto a garota, de máscara de gato, tirava a última peça de roupa do striptease, a espanhola gritava: 'Vaaaai gostosa! Vai, que o Rio tá precisando disso!' Pouco antes do strip, o boca a boca dava conta de que quem iria tirar tudo era a Bailarina de Vermelho, alter ego da performer Alessandra Colasanti, que desfilava pelo salão com um fantoche de jacaré preso no braço.

Mas na hora do vamos ver quem encarou a tarefa ao som de 'Vai popozuda/requebra geral' foi uma dublê mascarada, vestida com o mesmo tutu de Alessandra, e cuja identidade foi mantida a sete chaves. 'Não engulo isso, não', brincava a atriz Mariana Lima. 'Saio de casa deixando minhas filhas para ver a Alessandra passar a calcinha no corpo e é outra pessoa?'" (Joaquim Ferreira dos Santos, O Globo)



Jornal do Brasil
" (...) E, enfim, a grande atração da noite: performance da atriz Alessandra Colasanti, com colaboração do fantoche crocodiliano Acarajé. O chamariz? Um strip. Total.

Antes do picante espetáculo, Alessandra prestava consultoria aos convidados. Na verdade, o consultor era Acarajé 'É uma espécie de oráculo. As pessoas contam seus sonhos a ele. Se der, Acarajé realiza. Também tô perguntando o que querem que eu faça durante o strip. tem de tudo: de cachorro a pilastra.'

Apagam-se as luzes. No palco, é dada a largada ao show. Na platéia, carinhas desnorteadas. A Bailarina de Vermelho não era Alessandra. Usando uma máscara de cachorro, a stripper tira peça por peça. Sem parar de rebolar, claro. Vai-se o sutiã, logo em seguida a calcinha (o estopim para um engraçadinho dar sinal de vida; 'Eu acho que vi um saquinho'). Tiro n'água. Ao fim da apresentação, nua em pelo, a moça some sob fumaça, para aí sim, Alessandra dar o ar da graça, junto com Acarajé. Decepção para alguns, pura diversão para outros." (Heloisa Tolipan / Jornal do Brasil)


O Dia
"Alessandra Colasanti, travestida de Bailarina de Vermelho anunciava que faria um striptease completíssimo. O strip até aconteceu, mas quem fez foi uma profissional, vestida igualmente de bailarina. " (Bruno Astuto, O Dia)

Um comentário:

Luiza Bateman disse...

Adorei a trilha sonora! Bj, louca!!!